O cio de gatos: tire suas dúvidas

Entre os sintomas do cio de gatos estão os altos miados e a marcação de território. Confira aqui a duração, frequência e como é o cio em gatos persa.

ilustração de dois gatos apaixonados com um coração acima de suas cabeças

O universo dos felinos ainda é bastante misterioso para diversos tutores, principalmente quando envolve o cio de gatos. Dúvidas como quais são os sintomas, duração e frequência do estro são comuns por parte de muitos donos.

Por exemplo, quem nunca se perguntou de quanto em quanto tempo a gata entra no cio? Ou se durante esse período as fêmeas apresentam sangramento, dor ou qualquer outro sinal?

De acordo com a médica veterinária Sarah Mota, tanto as fêmeas como os machos apresentam alguns sinais característicos dessa fase. E o principal deles é a vocalização diferente, um uivo monótono que dura até 3 minutos.

Mas, além de saber reconhecer uma gata no cio, os tutores precisam entender melhor esse processo natural na vida dos animais. Assim, é possível aprender a como lidar com o estro dos felinos em casa.

Sintomas de cio em gatos

Além dos miados, o cio felino pode ser reconhecido através do comportamento mais dócil das fêmeas. Nesse sentido, elas passam a esfregar a cabeça e o pescoço no tutor e até mesmo nos móveis.

Também é comum que elas mudem a postura, movimentando-se mais inclinadas, com o rabo para cima e deixando a vulva em evidência.

Em um trabalho desenvolvido na Universidade Estadual do Ceará, o veterinário Carlos Gabriel Almeida afirma que pode ocorrer uma pequena secreção sanguinolenta da vulva.

Já com relação aos machos, Sarah Mota explica que o cio se caracteriza pela maior necessidade de marcação de território. Então, é comum o xixi fora da caixinha de areia e por todo lugar da casa.

“Não se trata da urina propriamente dita, mas sim um líquido bem oleoso que gruda em qualquer lugar, pois tem uma grande quantidade de feromônio”, explica a veterinária que também é especialista em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais.

Quando surge o estro felino?

Segundo a profissional, é importante ressaltar uma característica dos felinos que possui relação com o feromônio: o macho induz o cio nas fêmeas.

“O macho vai marcar o território, liberando o feromônio, a fêmea vai perceber esse odor no ambiente e o organismo dela começa a liberar hormônios de cio”, complementa Sarah.

Nesse sentido, as fêmeas podem entrar no cio a partir dos quatro meses de idade. Já os machos, geralmente, a partir do nono mês de vida.

“Ao contrário das cadelas, as gatas com quatro meses, se cruzarem, emprenham. Já nas cadelas, o primeiro cio é como se fosse um sinal de maturação, pois a maioria das cadelas não permite que o macho monte”, alerta a médica.

Qual a duração e frequência?

Tanto Sarah como Carlos afirmam que não tem como determinar ao certo a duração do cio em gatas, pois esse período pode variar de acordo com os fatores externos, como temperatura, a raça e a ocorrência ou não da ovulação. 

Mas, de uma maneira geral, o estro como um todo dura de cinco a sete dias. Segundo Sarah Mota, o cio mesmo é de apenas três.

Já quando se trata da frequência desse período na vida das gatas, a veterinária chama a atenção para a natureza reprodutiva dos felinos. Devido ao feromônio lançado pelos machos, a fêmea pode viver em um constante cio

Ainda de acordo com a especialista, as fêmeas felinas possuem uma particularidade. “Cruzou, emprenhou, pariu e com oito dias ela já começa a apresentar sinais de cio, se tiver gato macho próximo”, frisa. 

Cio de gato persa

“Os gatos da raça persa são muito precoces, geralmente, as gatas dessa raça entram no cio muito cedo. Só que no Brasil, com as temperaturas do país, elas tendem a mudar bastante”, conta a médica.

Além disso, Sarah Mota explica que de tantas misturas entre os animais, até mesmo as gatinhas sem raça definida estão entrando no cio cedo, com quatro meses. 

“Tem a questão genética, mas também tem a questão ambiental, e essa última influencia e muito na vida dos animais.”

gato com roupa pós-cirúrgica
A castração é a melhor solução para esses casos.

Como lidar com o cio de gatos em casa?

Infelizmente, muitos tutores ainda tentam resolver essa questão com a injeção anticio. Mas, para a especialista em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais, essa atitude é um erro.

“Os problemas são muito maiores e muito mais caros do que aquele período de quatro ou cinco meses que você vai ficar com o animal sem cio. Porque a gata pode ter piometra, tumor em mama e em outros órgãos”, destaca Sarah.

Portanto, os tutores devem evitar que as fêmeas saiam de casa durante o cio. Já os machos devem ser limitados na casa, para que eles não urinem em todos os cômodos e móveis. 

“Além do odor, esse líquido também tem óleo e por isso é muito mais difícil de eliminar o cheiro. Sendo assim, você deve limpar onde o gato urinou como desejar e finalize usando algum produto com perfume cítrico, pois eles não gostam desse tipo de cheiro, evitando que eles façam novamente”, recomenda a profissional. 

No entanto, a melhor maneira de lidar com o cio é optando pela castração, tanto das fêmeas como dos machos. 

Além de evitar as ninhadas indesejadas, o procedimento cirúrgico consegue impedir os comportamentos inadequados dos animais, como a marcação de território e os altos miados, e acabar com as brigas entre os machos que duelam pela fêmea.


Médica veterinária Sarah Mota (CRMV-BA 5744).
Graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências e Pós em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais pelo Instituto Qualittas de Pós Graduação. Reikiana 3-A.

Quantas estrelinhas esse post merece?

Avaliação média: 5
Total de Votos: 5
O cio de gatos: tire suas dúvidas

Receba posts por e-mail!

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações por e-mail.

Katharyne Bezerra
Katharyne Bezerra é jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela UniFavip-DeVry. Atua como ativista ambiental e animal desde 2014 e já foi presidente de uma ONG de proteção ambiental durante 4 anos. Desde 2015 escreve sobre animais para diversos sites. Atualmente, é tutora de três pets, Pepita, Padoca e Charles. Siga no instagram!

Deixe seu comentário